O fio do novelo

Para Mauro Calliari

Endereço do hostel no bolso, celular carregando no quarto – afinal, não há roteador que capte sinal de internet nas ruas de terra sinuosas de Nagarkot. A própria chegada envolveu carregar as malas por um estreito trecho a pé, onde apenas alguns tuk-tuks barulhentos, frágeis e fumacentos insistem em entrar.

Olhos atentos, primeiro passeio: uma casa de câmbio a três metros do albergue. Na esquina, um açougue improvisado, aves expostas e ainda com penas. Duas ruas depois, uma balança pesando berinjelas na porta de uma casinha azul. Com mais três quadras se faz, enfim, a praça central onde dezenas de crianças curiosas perguntarão seu nome todos os dias em que você passar por lá.

Se a cidade é o labirinto, o olhar do viajante pode bem ser o fio do novelo que o trará de volta ao hotel, e que ele esticará um pouco mais na andança seguinte – o fio que reconstitui o caminho de volta e também tudo o que é pequeno, o que é gigante e o que há de mais inquestionável na última cidade do mundo onde a palavra globalização não significa nada.

Katmandu, Nepal (2015) Foto de Bella Ferraro

2 comentários em “O fio do novelo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: