Anacrônica

Pra direita, um esboço de praça e restinhos de vila. Pra esquerda, o bairro gentrificado, o tráfego de avenida e a vila que já não é vila, como escreveu Aldir Blanc.

Esquerda, afinal. Entre dois condomínios, um portão sopra o R arrastado do interior e guarda um trecho anacrônico de terra batida.

Ao lado do hipermercado, uma casinha operária assentada por mãos imigrantes que para sua própria casa nunca puderam voltar. É praquela direção que a rua leva quem se atreve a caminhar por uma via de passagem, não de paragem – e, muito menos, de paisagem. Ainda assim, até o vento sopra a promessa de contar histórias melhores do que as do trânsito.

O semáforo abre, atravesso. A gente se esquece que paisagem às vezes se faz num som inesperado de correnteza. E é caminhando por essa passarela estreita, pedestre e quase apagada que enfim se vê o rio da minha aldeia.

Um portão com R retroflexo – foto de Bella Ferraro, 2020

4 comentários em “Anacrônica

    1. Grata pelo olhar tão atento e generoso. Foi um exercício de “volta no quarteirão em 1500 caracteres” – achei válido colar num imaginário rural e remoto para que a caminhada não parecesse um inventário do IBGE 🙂

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: